A saga chega ao fim

Twitch Plays Pokemon virou uma febre nas últimas semanas, mas, como tudo na vida, teve seu fim. Milhares de pessoas se envolveram, direta ou indiretamente, nessa saga épica de um game que mais virou um estudo comportamental e de influência.

Se você ficou trabalhando demais ou sua internet foi pro brejo e não sabe o que é esse tal de Twitch Plays Pokemon (ou TPP, como apelidaram), ele nada mais é que um streaming no Twitch do clássico Pokemon de GameBoy, mas não apenas isso. Um bot captura os comandos que o pessoal coloca nos comentários, os interpreta e manda para o emulador. Ou seja, o público de fato joga o game. Ao mesmo tempo. Visualizou o caos?

Pois é, mas a “democracia” conseguiu vencer a “anarquia” e o jogo chegou ao fim, por incrível que pareça. Após pouco mais de 16 dias, TPP foi finalizado –  um feito fantástico, seja você um gamer ou não.

TPP - A sagaClaro que isso não é um experimento científico de fato. O criador do canal disse, em entrevista ao Polygon, que “não tinha nenhum plano desde o início”. “Eu só queria colocar no ar pra ver como as pessoas reagiriam.” Certamente, ele não esperava que isso tivesse tamanha repercussão. No entanto, algumas coisas são bem interessantes quando paramos para analisar.

Acho que, de imediato, podemos pensar em um novo e interessante modo de jogabilidade. Um game real e totalmente colaborativo. É um conceito novo e meio difícil de ser cogitado até o TPP. Isso é algo que Matt DiPietro, vice-presidente de marketing e comunicação do Twitch, fala, em entrevista para o Washington Post: “é a prova de um conceito e seu potencial é muito interessante. (…) Imagine se um desenvolvedor esperto e inovador quiser fazer um game desde o início usando o chat como a entrada de comandos principal para quem jogar. Seria um gênero totalmente novo”. Seja usando chat, comandos de um controle ou por voz, o próprio conceito já é algo interessante.

Democracia

Democracia sobre a anarquia

Outra coisa que cito é o que Nancy Schimelpfening fala muito bem em seu artigo para o Liberty Voice. “A maior mensagem parece ser de que as pessoas naturalmente procuram por ordem, ao invés do caos, através da cooperação e democracia, se lhes são dadas as ferramentas certas”, o que faz muito sentido, já que, como ela mesma lembra, antes da implantação do sistema “democracia/anarquia”, o caos reinava.

Também podemos analisar como é característico da gente como nos unimos em nossos gostos ou ideias, especialmente para um bem maior. A odisséia passada por milhares de pessoas, anônimas entre si em sua grande maioria, e suas lutas travadas, seja no jogo ou entre si, criam um grupo, uma sociedade, para alcançar o grande objetivo de fechar o game.

Mais do que uma brincadeira, o “experimento social” serviu para nos lembrar de que, mesmo contra todas as expectativas, ainda somos fortes quando trabalhamos juntos.