Resumo do CBLOL 2015 – Rodada 1

Começou neste sábado (17/01) a temporada do CBLOL 2015, com algumas novidades, entre elas, o novo estúdio de onde são transmitidas as partidas, dando maior conforto a treinadores e jogadores e deixando-os, assim, o mais focado possível no jogo. Para abrir a temporada, tivemos um grande jogo, de uma já conhecida rivalidade entre Pain e Keyd. Ambas as equipes trazem novidades para essa temporada.

paiN Gaming vs Keyd Stars

Por parte da Pain Gaming, o anúncio do antigo AD Carry Felipe “BrTT”, que volta à equipe depois de deixá-la por um bom tempo, e o novo suporte francês “Dioud”, ambos na promessa de substituírem Lactea e Olleh, repectivamente, que tiveram problemas com visto e não puderam ficar para defender a equipe.

Do outro lado, a Vivo Fibra Keyd Stars também trouxe mudanças , depois da saida do próprio “BrTT” e de “Rafes”, antigo Jungler, que defendeu o time no final da temporada 2014. Os reforços foram trazidos da Coréia do Sul, berço dos grandes nomes do cenário esportivo de League of Legends. O primeiro deles é o “Emperor”, Ad carry que defendeu a CJ Entus Blaze, juntamente com seu companheiro “Daydream”, que também veio para a Keyd. Ambos são conhecidos por seu estilo um tanto quanto agressivo nas partidas.

Emperor e Daydream na Keyd

Keyd traz os coreanos Emperor e Daydream para sua lineup

Todos torciam um jogo de abertura esplêndido, pois a rivalidade dessas equipes é de longa data. A primeira partida mostrou o que todos esperavam: ambas as equipes jogando de uma maneira bastante segura, pois ninguém queria demonstrar falhas. Foi possível observar que ambas as equipes estavam bastantes apreensivas, e mantiveram um jogo muito “igual” no início; não era possível ver se eram os brasileiros que estavam resguardados pela presença dos coreanos ou se os coreanos ainda estavam se adaptando e estudando o jogo. O grande destaque da primeira partida foi “Dioud”, que mostrou uma mecânica incrível com sua Nami, grande parte dos engages e disengages eram realizados por ele, salvando muitas vezes o seu time ou livrando-os de perdas piores. Em alguns momentos da partida, o jogador “Emperor” era pego fora de sua posição e acabava morrendo, e por muitas vezes “Daydream” fazia umas jogadas sem o follow-up de seus companheiros – não deu pra perceber se foi por falta da comunicação ou pelo excesso de agressividade de seu jogo. Como resultado, a Pain levou a primeira partida, em um jogo bastante pegado e que não se poderia dizer quem ao certo iria ganhar.

Na segunda partida, a Keyd retorna de uma maneira bastante diferente e, com um jogo muito consistente, dessa vez o jungler realizou ganks bem mais efetivos e o ad carry pareceu entender como a Pain estava jogando, conseguindo então se posicionar de maneira bastante satisfatória. Pode-se dizer que, em apenas uma luta (um combate pelo buff vermelho), todo o jogo foi definido pela Keyd. Após esse combate, todo o andamento do jogo pareceu ter sido controlado – vale ressaltar que este é um dos maiores problemas dos times brasileiros, o famoso efeito snow ball, em que o time com uma vantagem se aproveita da mesma e só faz isso crescer até o fim do jogo. Parece que os dois coreanos da Keyd conseguiram, enfim, trazer essa “habilidade” para jogos no Brasil, pois muitos times não sabem aproveitar essa vantagem quando a adquirem.

Sendo assim, o jogo de abertura termina em um muito válido empate! As duas equipes se mostraram bastante técnicas e demonstraram porque são as que possuem a maior fan base do League of Legends brasileiro.

CNB vs Dexterity

 O duelo que ocorreu em seguida foi entre CNB e Dexterity. Os que acompanham o cénario sabem que equipes como a CNB são bastante tradicionais, mas ela vinha enfrentando uma série de derrotas desde que montou sua nova line up, com o dizer #ConfiaNosBrs , pois grande parte das equipes estava contratando jogadores coreanos para seus times. Do outro lado, a DEX, formada por jogadores novos, mas já conhecidos no competitivo, como é o caso de “Anjinho”.

CNB em 2015

Com várias caras novas, CNB se dá bem em cima da Dexterity

O jogo me pareceu muito bem controlado por parte da CNB, que não teve problemas em administrar suas vantagens. Por outro lado a DEX pareceu um tanto quanto perdida por várias vezes no jogo, sem saber ao certo como se posicionar ou capitalizar uma vantagem. Embora o segundo jogo tenha sido um pouco mais disputado do que o primeiro, a CNB mostrava sua dominância nas partidas a todo o momento e, por isso, conquistou o 2×0.

No segundo dia do CBLOL 2015, tivemos confrontos entre Kabum Black e Jayob, e também a Kabum Orange contra a INTZ. O que eu tenho pra falar sobre esses jogos? A principio, que eles surpreenderam mais do que os do dia anterior! Sim, você não leu errado! Existe uma grande cobrança que times  como Pain e Keyd façam jogos excepcionais, mas eu devo dizer: os jogos do domingo foram mais impressionantes.

Kabum.Black vs Jayob

No primeiro confronto entre Kabum Black e Jayob, vimos um jogo que, logo de início, foi controlado pela Jayob. Porém, com a progressão da partida, muitas calls deram errado, fazendo com que ela, em muitos pontos, se tornasse parelha. A Jayob conseguiu “milagrosamente” fazer seu jogo desandar e acabou perdendo a partida para a Kabum Black, que mostrou um estilo de jogo mais constante em toda a partida.

No segundo jogo, conseguimos ver uma Jayob muito semelhante ao primeiro jogo, dominando logo de inicio. A grande diferença foi eles conseguirem manter o snow ball contra o time da Kabum Black, que se viu muitas vezes acuada por split pushes realizados pelo jogador “Yetz” (grande destaque dessa segunda partida). As lutas, mesmo quando Jayob tinha desvantagem numérica, lhe rendiam resultados muito bons graças ao bom posicionamento das lutas por parte do jogador “Theusma”. Assim, a Jayob levou a segunda partida e deixou tudo empatado.

yeTz e Zed

yeTz massacra a Kabum.Black com seu Zed

Kabum.Orange vs INTZ

Como último jogo do dia – e devo confessar que esse foi o mais emocionante -, tivemos INTZ vs Kabum Orange. Nesse jogo, conseguimos ver o quanto um time realmente empenhado pode desbancar times favoritos. Existe de uma longa data o fato de se considerar a INTZ um time tier “1,5”, pois eles, em teoria, não estariam no mesmo nivel de times como Pain e Keyd, e também seriam melhores do que qualquer time tier 2. Esse jogo veio para mostrar mais uma vez o quanto esse time é forte e vem crescendo de maneira contínua no cenário – e, diga-se de passagem, de maneira surpreendente. A Kabum possuía seu favoritismo por ter sido o time a ir para o Campeonato Mundial e representar o Brasil, mesmo eles não estando com sua lineup original.

A Kabum demonstrou um jogo bastante inconsistente, devido ao seu favoritismo, enquanto a INTZ impôs um ritmo muito forte em ambas as partidas, com destaque ao jogador Revolta – sim, o mesmo Revolta que foi muitas vezes alvo de comentários ruins por não conseguir acertar um smite. Pois, neste confronto, Revolta provou a todos que está muito bem treinado e com um jogo realmente incrivel, deixando muitos outros bons junglers para trás. É evidente a sua mudança de estilo de jogo desde a sua saída da Keyd. Não se sabe ao certo o que aconteceu, mas seja lá o que tenha sido, resultou em um 2 a 0 da INTZ em cima da Kabum.

Revolta na INTZ

Revolta comanda vitória da INTZ em cima da Kabum Orange