Resumo do CBLoL 2015 – Rodada 3

 A terceira semana do Campeonato Brasileiro de League of Legends trouxe mais uma vez partidas sensacionais, com destaque para a reviravolta da Keyd Stars para cima da INTZ, em um duelo com mais de uma hora de duração. Com certeza, este CBLoL está mostrando para nós, brasileiros, que temos sim equipes fortíssimas para o próximo Mundial.

Dexterity x Kabum Orange

No sábado, tivemos primeiramente a série melhor de 2 entre Dexterity contra Kabum, e o primeiro jogo já se inicia com uma agressividade acima do esperado por ambas as equipes. Nas primeiras lutas, as equipes estavam levemente empatadas, mas, com alguns minutos de partida (aproximadamente oito minutos, para ser mais exato), a Kabum começa a engrenar team fights melhores e alargar sua vantagem que, a princípio, era modesta.

Kabum Orange

Kabum Orange consegue sua primeira vitória

Após o controle do primeiro Dragão da Partida, a Kabum conseguiu um desempenho melhor e os confrontos passaram a ser cada vez mais favoráveis. E foi nesse ritmo constante que a Kabum leva a primeira partida. Na segunda, a Kabum acelerou seu jogo e conseguiu ficar com o dragão logo de cara. A Dex tentou responder, mas suas jogadas eram bem neutralizadas, seja pelo ótimos teleportes do jogador Lep ou até mesmo pelo ótimo controle da jungle e presença nas lanes do Dans, que – vale lembrar – ainda está se adaptando à sua nova posição, mas mostrou um controle global das lanes nessa partida, sempre com ganks bastante efetivos. A Kabum conseguiu focar muito bem em objetivos, tanto destruindo torres quanto no foco pelos Dragões (sendo um deles ainda roubado pelo Piolho, da Dexterity) . Nesse ritmo continuo de objetivos, a Kabum fez 2 a 0 em cima da DEX, com destaque para Lep e Dans, que realizaram ótimas rotações para seu time.

CNB x Jayob

Na segunda md2, tivemos CNB contra Jayob, a partida mais impressionante do dia. Um dos jogadores da CNB, quando entrevistado, contou que a estratégia de sua equipe seria focar no mid laner yeTz, do time da Jayob, neutralizando-o nos dois jogos e conquistando a vitória. Grande parte das vitórias da Jayob se deve ao jogador, devido a sua manipulação com campeões assassinos (vale salientar seu surpreendente Zed), que sempre conseguem vencer disputas 1×1 ou realizar split pushes, levando seu time a vitória.

yeTz

yeTz foi muito bem anulado pela CNB

No início do jogo, os bans foram voltados ao mid laner, o que confirmou a estratégia da CNB de focar em tal rota. Era esperado que a Jayob, sabendo de tal fato, conseguisse realizar uma contra-estratégia para a qual foi anunciada, mas não foi isso que foi visto. Nos dois jogos, percebeu-se um controle absurdo  por parte da CNB, que conseguiu focar em objetivos primários e colocar sua estratégia em prática, obrigando Yetz a jogar com champions que dependeriam muito mais de uma team fight favorável do que de sua mecânica individual. Por vários momentos, conseguimos perceber alguém da CNB a “zonear” (quando o jogador impede outro de se aproximar de determinado objetivo ou de ajudar seus companheiros) o Yetz. Oxydream também não fez uma boa partida: seus ganks não foram tão efetivos, o que fez sua equipe ficar bem atrás em vários momentos.

Vale destacar aqui as ótimas jogadas realizadas pelo atleta Nappon, com sua Rek’Sai, que deixou seu time em ampla vantagem em diversos momentos.  Dessa forma,  acabou 2 a 0 para a CNB, que consegue um jogo muito bom depois de uma longa estrada de derrotas e muitas criticas.

paiN Gaming x Kabum Black

O domingo, então, começa com Pain x Kabum Black. A série teve, sem dúvidas, duas grandes partidas, e devo acrescentar o quão surpreendente é ver times considerados “não tão bons” ou de um “tier inferior”  vencer um adversário dado como favorito.

paiN x Kabum Black

Disputa entre as duas equipes foi bem equilibrada

No primeiro jogo, já se podia ver a quantidade de surpresas que nos aguardavam. As atenções estavam todas para o desempenho dos competidores na bot lane: Matsukase e Espeon contra Brtt e Dioud.

A partida começou de maneira bem igual para os times, jogando de maneira bem segura e tentando capitalizar o máximo de ouro possível. Apenas uma das rotas me pareceu menos balanceada, que foi o caso do competidor Goku, da Kabum Black, contra o Kami, da paiN, no meio. Enquanto o segundo já possui um vasto histórico de torneios e campeonatos, seu adversário ainda é bastante “novo” nesse assunto. Goku foi punido em diversas ocasiões, seja por posicionamento errado em sua rota ou mesmo em team fights. O (já esperado) crescimento de Kami na partida possibilitou à paiN coordenar melhor as lutas e o foco em objetivos. Do outro lado, a Kabum Black tentava continuamente responder de alguma maneira, mas sem grande êxito na maior parte das vezes. Muitos acreditavam que seria uma partida fácil para a Pain Gaming, mas não foi. Por mais vantagem que conseguissem, a dupla do bot da Kabum Black sempre tentava arrumar um jeito de responder à agressividade inimiga. 

No segundo jogo, as coisas foram bem diferentes. Goku, que não brilhou muito no primeiro jogo, teve um desempenho muito superior, conseguindo trocar dano muito bem com Kami. Outro ponto bem interessante foi o combate na bot lane: brTT trouxe Kalista, uma campeã que foi usada no dia anterior pela Cloud9 e pela CLG. Nessas partidas, pudemos ver o grande potencial dessa ad carry, mas não foi o que vimos no jogo da Pain Gaming. Matsukase conseguiu aproveitar muito bem a movimentação de sua Vayne para conseguir uma vantagem melhor nas lutas. A proteção do time da Kabum Black para com seu carregador foi simplesmente impecável; ela era tão bem feita que muitas vezes parecia que ninguém da equipe inimiga conseguia se aproximar dele. Nesse confronto, Kami também não conseguiu impor muito seu ritmo, o que, pra mim, é a explicação sobre a derrota neste game 2. O jogador é um dos melhores mid laners do Brasil; quando ele consegue se destacar, seu time avança para a vitória de maneira mais segura. No entanto, quando seu desempenho não é tão favorável, o time não consegue se desenvolver tão bem. Dessa maneira, ficamos com um empate para as equipes.

SkyBart

SkyBart faz sinal de positivo na foto

INTZ x Keyd Stars

A última md2 do domingo foi entre INTZ e Keyd, e essa foi a melhor e mais equilibrada disputa da rodada. A INTZ, para muitos, se tornou o time mais forte do CBLOL e porque não, do Brasil. A competência de cada um de seus membros nas jogadas individuais e em time é realmente excepcional.

O inicio do primeiro jogo foi completamente dominado pela INTZ. Atletas como Emperor foram bem neutralizados e não chegaram a fazer muito nos primeiros minutos. Quando chegamos à metade da partida, o que parecia ser um jogo ganho para a INTZ começou a denunciar um retorno da Keyd ao confronto e, a partir dos 40 minutos do jogo, já era difícil dizer quem poderia vencer. Emperor, antes atrás, conseguiu bons posicionamentos e angariou diversos abates, o que fez com que ele retornasse para a partida. O jungler Daydream, que não vinha realizando boas jogadas a principio – algumas um tanto quanto estranhas, inclusive – começou a engrenar e ser ponto fundamental nas team fights.

Para a primeira partida, eu daria um destaque especial para Mylon, que não mostrou em nenhum momento da partida ficar atrás para o top laner rival da INTZ. Por diversas vezes, ele é quem segurava todo o dano e impedia que o jogo tivesse um desfecho mais rápido. Mas League of Legends é tão imprevisível que, mesmo o time da INTZ com o quinto buff do Dragão e o buff do Barão, não foi capaz de vencer a partida. Foi simplesmente incrivel. Vale lembrar que a INTZ manteve uma vantagem muito grande desde o inicio, mas a Keyd conseguiu se segurar até o ultimo instante e sair vitoriosa: 1×0 para a Keyd Stars.

Mylon

Mylon foi o destaque da primeira partida

No segundo confronto, a Keyd vinha um pouco mais disposta, depois de uma vitória de um jogo que durou mais de 1 hora. Do outro lado, a INTZ parecia um pouco desanimada depois do incrivel jogo que tinha feito e perdido, mesmo assim. Entretanto, tudo isso foi apenas aparência. Em outra fantástica partida, os times lutaram até o último segundo, dessa vez, com vitória para a INTZ.

Sobre o último jogo do domingo, esse “nível” de partida me faz pensar que um time, por pior que seja ou mesmo sem sintonia, caso passe um grande tempo treinando, pode realmente se tornar forte e bem difícil de ser derrotado, mesmo para coreanos. Acredito que vai chegar o dia em que as equipes vão se empenhar mais, ao ponto de não necessitarem mais de jogadores de outras nacionalidades, por considerá-los melhores. A INTZ está ai para mostrar isso: muito esforço e muito trabalho duro pode levar a resultados realmente incríveis. Quem sabe, no futuro, o Brasil não possa mostrar ainda mais o grande potencial de seus ótimos atletas e não mais temer ou viver na sombra de jogadores coreanos ou de qualquer outra nacionalidade. Trabalho duro leva a resultados incríveis, e é isso que a INTZ mostra a cada jogo.

RESULTADOS FINAIS

KABUM ORANGE 2 x 0 DEXTERITY
CNB 2 x 0 JAYOB
PAIN 1 x 1 KABUM BLACK
KEYD STARS 1 x 1 INTZ
Classificação - Semana 3