Tag Archives: steam

NMRIH - Direitos Humanos

No More Room in Hell – Direitos Humanos na Cara!

Saudações reais, galera!  Ainda é quinta-feira, hein? O que significa vídeo novo no canal! Confira agora nosso batalhão de noobs mandando ver nos zumbis que estavam tentando estragar uma manifestação legítima. Não deixe de dar um curtir e dar suas sugestões de jogos nos comentários. Continue reading

Banner Saga Review

The Banner Saga – Análise

Embora os jogos indies não tenham toda a badalação e publicidade dos grandes “Triple A” (por razões simples), sua safra atual vêm sendo destacada com grandes títulos, dignos de pôr esses jogos de grande orçamento no chinelo. É só percebermos a presença constante desse cenário independente nas grandes premiações de games atualmente (Journey, por exemplo, teve até indicação ao Grammy). The Banner Saga aparece como mais um bom jogo dessa safra. Continue reading

Processos, WoW e PSN Brasil

Desde o surgimento da Origin, a loja virtual de títulos criada pela EA para concorrer com o Steam (embora isso seja negado, lógico), alguns rumores vinham tomando cada vez mais força, até a proibição da venda de Crysis 2 na plataforma Steam. Desde então, a rixa começou a tomar forma de fato e já não encontramos novos games lançados pela EA tão fácil assim na Steam. O problema é que a Steam, para fornecer um título para download, exige que todo conteúdo de um game possa ser vendido em seu site, enquanto a EA exige o controle desse conteúdo, ou seja, expansões, DLCs e patches não poderiam existir na Steam, e aí que embola tudo. Battlefield 3 já encontra-se em pré-venda em alguns sites, mas nada de encontra-lo na Steam. Enquanto isso, os gamers têm uma – ótima – opção a menos para ter seus jogos.

E por falar em rixa, a Namco Bandai criou uma séria com a Projekt Red, produtora de The Witcher 2: Assassin of Kings. A Namco está processando-a por lançar uma versão do jogo livre de copyright pela Good Old Games, da própria empresa. Além disso, a CD Projekt Red também assinou um acordo com a THQ para distribuição nos países do Leste Europeu, Austrália e Nova Zelândia. Nada foi confirmado até agora, exceto a existência dos processos. Mas talvez não seja um problema muito grande para a produtora, já que as mais de 400.000 cópias vendidas até agora renderam alguns trocadinhos.

Outro processo que deu o que falar foi o da Tomita Technologies em cima da toda poderosa Nintendo, por infringir as patentes da tela 3D do Nintendo 3DS, preenchida em Março de 2003. A patente descreve como poderia ser utilizada por um dispositivo que não requer óculos específicos e detalha como alternar as imagens entre o olho esquerdo e direito de forma independente. A julgar pelas dezenas de processos que aparecem por aí a respeito de novas tecnologias (como o próprio processo que rolou contra o Blue-Ray da Sony em Maio), não duvidaria que tenha sido realmente infringido e que a Nintendo, com todo seu poderio, consiga se livrar do processo sem maiores problemas.

Mas como não podemos nos ater apenas a tristezas, vamos comentar sobre algumas alegrias divulgadas durante a semana. Claro que a maior delas deve ser a versão brasileira do MMORPG mais jogado da história, com mais de 12 milhões de contas espalhadas pelo mundo. World of Warcraft deve chegar ainda em 2011, todo traduzido para nossa lingua mãe (com gírias e tudo) e com um precinho mais do que camarada. Em entrevista à Rolling Stone Brasil, Steve Huot, diretor de operações da Blizzard para a América Latina, até revela os preços a serem pagos: R$29 pela embalagem do game, já com a expansão Burning Crusade, e R$15 pela assinatura mensal, e poderá ser pago via boleto bancário e cartões de crédito e débito. Uma ótima notícia para todos os fãs do jogo aqui do Brasil, principalmente por mostrar que o mercado brasileiro está começando a ser levado a sério.

Além disso, no dia 22, o Brasil também teve inaugurada – finalmente – a PS Store, junto com o blog e a página oficial da PlayStation para nossa terrinha. Em comunicado oficial no site, a Sony dá boas vindas ao mercado nacional e cita Glauco Rozner, novo Gerente Geral de PlayStation e VAIO da Sony Brasil: “Hoje damos início a uma nova fase. Com a Playstation Network Brasil, o consumidor brasileiro terá acesso a um mundo de entretenimento singular. Poderá baixar jogos, demos, add-ons, wallpapers e ter acesso a inúmeros conteúdos exclusivos, que estarão disponíveis a todos os usuários do console PS3. Para isso, basta ter uma conexão de internet e criar uma conta na PSN Brasil. A criação de contas é grátis e todos as transações de compra serão feitas em moeda nacional, trazendo muitos benefícios e diversão ao nosso público”.

E o casamento da Sétima Arte e dos games está indo de vento em popa. A Legendary Pictures, por exemplo, já confirmou que o filme de Mass Effect terá um foco maior no primeiro jogo da trilogia (não sei exatamente se isso é bom), enquanto um trailer da webseries baseada em Dragon Age foi revelada na Comic-con que rolou há poucos dias atrás. Dragon Age: Redemption deve começar a aparecer ainda esse ano e tem bons nomes por trás da produção, tais como o ator Doug Jones, de Hellboy, e o diretor Peter Winther, de Independence Day e, claro, a BioWare.

Por fim, para aqueles que, como eu, não estão mais aguentando a espera por Batman Arkham City, a Rocksteady faz mais uma vez a excelente jogada de marketing de ficar lançando bem aos pouquinhos as grandes novidades do game. Dessa vez, na Comic-Con, a Entertainment Weekly mostrou a confirmação de Talia al Ghul, filha do vilão Ra’s al Ghul, que vocês devem lembrar dos quadrinhos e, vez por outra, muito bem retratada na série Batman Animated Series. Batman Arkham City deve chegar às lojas dia 18 de Outubro para PS3, XBOX360 e PC.

Talia al Ghul

Talia al Ghul e sua dubladora, Stana Katic

Motivos superpoderosos para adquirir (ou não) o DC Universe Online e uma bela novidade

Provavelmente, alguns dos que estão aqui me lendo estão loucos na dúvida se vão agora mesmo em alguma loja, seja ela física ou virtual, comprar o game número em downloads pela Amazon.com (notícia dada ontem pelo John Smedley, de quem falei no post anterior. Pois bem, eu também estou. E vou mostrar agora alguns motivos que me fazem permanecer na dúvida (muito embora eu já esteja pendendo pra um lado):

Será tão legal assim lutar ao lado deles?

Motivos que me fazem querer ir à loja:

  1. Eu não tenho PS3 ou XBOX360! Dessa forma, eu tenho limitações de títulos interessantes para minha plataforma de jogos (PC). Falei um pouco disso no post anterior;
  2. Ver o mundo da DC em um game é sempre empolgante. Imaginem agora esse mundo construído com a mais alta fidelidade, com personagens criados por você jogando AO LADO do seu herói OU vilão favorito;
  3. A interface com o player parece estar muito bem construída, com cenários muito bem montados e facilmente reconhecíveis pelos fãs dos quadrinhos, a dublagem dos personagens está legal
    (Coringa é sempre um personagem de destaque, e seu voice acting faz jus a isso) e as batalhas estão interessantes e divertidas (ao menos, ao que se percebe nos vídeos);
  4. A oportunidade de criar aquele seu personagem com o máximo de detalhes possível é legal (muito embora não aparenta ser tão rico quanto o Champions Online), e as armas e todas as outras bugigangas que você sai pegando enquanto joga não necessariamente mudam sua roupa.

Motivos que me fazem dar valor ao meu dinheirinho:

  1. O jogo não é tão barato, pelo menos, aqui no Brasil, que pode sair por até 120 reais, já que você precisa ter um cartão de crédito internacional (ou seja, comprar em dólar) ou comprar por uma dessas lojas legais tipo a THSGamers (sem propaganda). Se você compra por uma loja, sai pior, porque você tem que comprar o GameCard do jogo pra poder ativar os 30 dias que você tem direito ao comprar a CD-Key, como normalmente acontece atualmente com os MMOs. Mandei um email para o suporte da loja THSGamers apenas para confirmar e a resposta está abaixo:

    E como se não bastasse, outras opções como o Steam têm IP block para a compra em alguns países, inclusive o Brasil;
  2. Muitas pessoas que estavam jogando o beta disseram que o jogo era repetitivo e que era fácil passar de nível. A julgar pelo fato de o nível máximo ser 30, sei que enjoaria muito fácil do game. Na época em que comprei City of Heroes, a reclamação era a mesma, mas ainda assim o comprei. Nem cheguei a completar os 30 dias de jogo ganhos com a CDKey. Sei que as reclamações eram com o beta, mas os reviews que li também reforçaram isso, embora com menos veemência;
  3. Vários bugs daqueles que enchem o saco já foram reportados e os servidores vivem abarrotados, logo as pessoas, principalmente com uma banda de internet não tão grande, têm dificuldades com os lags e com a demora pra entrar no servidor;
  4. A interface do jogo aparenta ser mais voltada pra um controle do que pro bom e velho teclado e mouse. Parece que o carinho foi todo pro PS3 e o PC ficou com o resto.

Ao meu ver, o lado de dar valor fala mais alto. Os empecilhos têm um peso muito maior (e não só no bolso), pois, assim como eu, você pode ficar MUITO arrependido em gastar uma grana preta comprando a CDKey (E O GAMECARD) e acabar enjoando do game em metade do tempo que lhe resta.

Mas pra alegrar as pessoas que eu possa ter desanimado pelo que acabei de dizer, há pouco tempo vi uma notícia que me motivou a deixar de vez minha escolha por DCUO: Champions Online: Free For All!!!
Exato, Champions Online agora segue o esquema de vários MMOs, como D&D Online, também da  Atari, e vai ter o velho esqueminha de “o game é de graça, mas tem umas coisinhas legais pra você comprar aqui na minha loja online”. Provavelmente, é uma estratégia pra tentar competir com o sucesso de DCUO (uma estratégia bem interessante, diga-se de passagem), mas que vem sendo adotada por quase todos os MMOs atuais, então base para eles terem tomado essa decisão eles têm. Se ela terá sucesso, só o tempo dirá.

Pra terminar, dar-lhes-ei uma segunda e uma terceira opiniões: os reviews da Gamespot e do FuriousFanboys.com. Além disso, aqui está a entrevista em que o produtor executivo do Champions Online Shannon Posniewski falou sobre o lançamento do CO gratuito (em inglês).
E uma boa sorte em sua decisão.

Só o Flash poderia ser tão rápido (e arrebatador)

Quem ganha em uma corrida entre o SuperMan e o Flash ao redor do planeta? A Sony, claro!

O presidente da Sony Online Entertainment, John Smedley, confirmou em seu twitter ontem o sucesso estrondoso que o DC Universe Online, lançado dia 11 de janeiro, vem tendo em tão pouco tempo. Segundo ele, o DCUO é o jogo de vendagem mais rápida da história da companhia e acrescenta ainda que foi o jogo mais vendido no Steam na última semana. O sucesso foi tanto que eles tiveram que correr atrás pra colocar mais quatro servidores (2 US e 2 EU) em funcionamento no dia 18, ou seja, com apenas uma semana de lançamento.

Mais uma volta do Flash na Terra pra espalhar o DCUO

Mais uma volta do Flash na Terra pra espalhar o DCUO

Smedley ainda cita que a porcentagem de vendas entre as plataformas do jogo está 52% para o PS3 e 48% para o PC. Tiro disso que:

1) Isso PODE SER uma mostra de que esse nicho é altamente rentável. “Espere aí, King, depois de tudo que foi dito aí, por que você ainda diz que pode ser?”, você pergunta. Eu respondo: porque o DCUO vendeu tanto assim por ter sido baseado em algo com anos de história e consolidação, que é a DC Comics. Garanto que, se a SOE pegasse o MMO City of Heroes/Villains ou o Champions Online (cito esses pois são os que têm mais em comum com o DCUO), o sucesso não seria o mesmo, pois não teriam a marca, o selo de qualidade DC. Até eu, que gosto mais da Marvel que DC, quero sentir como está o jogo (mas estou vacilando pra comprar – explico mais tarde, em um próximo post).

2) O PC vai ser ainda mais abandonado pelas empresas de games (o que me deixa triste). Basta tirar os últimos grandes lançamentos pra PC e pras outras plataformas. O grande foco hoje em dia de jogos para PC é jogos FPS e MMO, com os jogos de outros gêneros sendo lançados mais remotamente, muitas vezes com atraso e/ou sem o devido respeito. Percebemos isso, por exemplo, com Assassin’s Creed: Brotherhood, lançados em meados de novembro do ano passado para PS3 e X360, mas só será lançado dia 22 de fevereiro desse ano para PC. Honestamente, eu acho um desrespeito para com os fãs da série e com os donos de PC em geral ter um dos maiores destaques no mundo dos games atualmente sendo lançado mais de três meses depois para essa plataforma. Se fazem isso de agora, quem garante que isso não acontecerá com MMOs também?

Você pode até estar achando que é um pouco de paranóia minha, mas depois de tanto tempo caçando e esperando por títulos dignos para meu desktop, é mais fácil andar com uma pulga atrás da orelha.

Até porque eu não tenho tanta grana quanto o Bruce Wayne (ou o John Smedley)…